terça-feira, 20 de julho de 2010

Sétimo Capítulo

(Pedindo as desculpas a nossos fiéis leitores, trago a público o sétimo capítulo da saga novelística humildemente lançada pelo UPOP e feita com vossas contribuições pertinentes. O atraso se deveu a meu tratamento contra o câncer - o signo, não a doença. Ok, foi porque faltou tempo mesmo. Mas prometo - juro - que voltaremos à assiduidade típica de nosso pobre mas limpinho espaço internético.)

Capítulo VII

Após alguns dias de intenso trabalho, noites sem dormir, refeições feitas às pressas e imprensa no meu encalço, resolvi comemorar com minha equipe  mais uma vitória no tribunal em um bar qualquer dos Jardins. Comemorava não só aquela vitória, mas todo um período de prosperidade e ascensão profissional. Eu era o homem da vez, o advogado que todos queriam ver, ouvir e ter ao lado. Eu era um sucesso: invejado, respeitado, admirado por colegas, mestres e alunos.

Comemorando, entre ema bebida e outra, entre risos e tapinhas nas costas, disfarçava uma angústia crescente, um incomodo íntimo que me fazia sentir como se vestisse uma camisa três  números menores que o meu, como se as paredes ao meu redor estivessem se fechando. Esse incomodo, meu filho, vinha daqueles olhos que me olharam fixos durante o julgamento, que por um segundo pensei terem me reconhecido e que nesse segundo fez ressurgir todo meu passado.

Eu tentava. Tentava não pensar, não lembrar, mas ela estava ali e quanto mais bebia, mas eu a via, mas longe no tempo eu era levado. De repente voltar para casa, para os braços de sua mãe era a última coisa que eu queria fazer e naquela noite não o fiz.

Saí do bar e me perdi pelas ruas da cidade, dirigi durante horas, sem rumo em uma rota de fuga que não levava a lugar nenhum porque inútil fugir de mim mesmo e do meu passado. Parei quando não podia mais manter minhas mãos presas ao volante, quando meus olhos não mais podiam manter-se abertos e entrei numa padaria qualquer. Já amanhecia, a cidade acordava e o movimento no balcão era intenso. Pedi um café, minha cabeça girava, alucinado via em todos os rostos aqueles olhos azuis, profundos, grandes e tive certeza de que aquela mulher não me deixaria em paz. 

Eu precisava descobrir quem era ela, quem era a mulher em cadeira de rodas, pele e olhar fenecidos e mãos abandonadas, inertes nas coxas, mas que no entanto ainda erguia, altiva os mesmos olhos voluptuosos. Era preciso voltar ao inferno pelo tortuosos caminhos do paraíso.

Das semanas que se seguiram só me lembro do cheiro úmido do quarto de hotel, da minha cara amassada no espelho, dos telefonemas conformados de sua mãe, da busca frenética por pistas e rastros daquela mulher. Não me lembro do quanto gastei, das desculpas que dei para a ausência aos inúmeros compromissos. Era como se o mundo tivesse  parado até o momento em que finalmente estacionei o carro em frente aquela casa na Serra da Cantareira, toquei a campainha  e tudo começou a fazer sentido.


 (Tânia, muito obrigado. Benedito, o próximo: boa sorte.)



3 comentários:

  1. brunanehring@gmail.com23 de julho de 2010 09:14

    dái Tânia! ma-ra-vi-lha: agora começa a grande aventura com que todos os seres humanos sonham: quando vc conseguiu tudo na vida para ter paz e tranquilidade, volta a ansiedade para....a grande aventura da sua vida!
    Se ainda estiver a tempo.....um conselho: fuja dela! beijos

    ResponderExcluir
  2. ai ai ai

    Cadê o resto!
    Adorei esse, e quero saber o que é que vai fazer sentido!

    Sandi, atualiza aí, vai!

    ResponderExcluir
  3. mensagem para Ana Marques:
    os capítulos estão ficando cada vez mais interessantes pois cada autor está deixando o suspense no ar, para que o proximo autor se esbalde na imaginação!
    E é tamb´rem muito bom que a gente tenha que esperar para saber o que acontecerá depois...
    Bruna Nehring

    ResponderExcluir